Reforma Imigratória – Análise completa.

para website“Se o Congresso não aprovar a Reforma, Obama fará a Reforma por Decreto”.

A afirmação foi do Senador Republicano Marco Rubio – Florida.

A reforma imigratória passa por vários desafios. O assunto já foi promessa de campanha do ex-presidente Bush e em seguida do Presidente Obama. Desde o princípio as dificuldades eram técnicas e passavam pela necessidade de controle da fronteira, na necessidade de modernização para digitalização e agilização online dos processos, além de muitas deportações que foram cumpridas na justiça para por em dia a agenda da justiça e do departamento de Imigração.  Agora, vencida boa parte destas limitações técnicas,  o assunto apresenta algumas novas variáveis ténicas e outras de natureza estratégica e política. Tecnicamente falando a atual reforma deseja que o imigrante  aprenda o inglês, que pague os impostos atrasados, que percorra um caminho de 13 anos até a completa legalização, que comprove trabalho, etc. Neste ponto os Republicanos não abrem mão de maior segurança na fronteira e muitos defendem apenas uma legalização relativa, para evitar o que eles rotulam de uma anistia disfarçada.

Mas a grande dificuldade é mesmo política. Com a recente aprovação no Senado, a decisão agora está nas mãos dos Deputados, com maioria Republicana, que se sente enfraquecida diante das sucessivas derrotas tanto nas urnas, quanto nos pacotes de Obama, que usa bem a opinião pública. Os Republicanos estão vendo portanto nesta situação, uma chance de se valorizarem.

Mas por outro lado, sentindo o momento e o ambiente de resistência, alguns grupos de empresários e políticos discutem as possibilidades e tentam contornar os problemas através de apoios e declarações. As Empresas do Vale do Silício por exemplo (ligadas a informática e tecnologia) em sua grande maioria tem interesse na aprovação da reforma, que efetivaria um grande número de engenheiros necessários a eles. Facebook, Microsoft, Apple já se manifestaram a favor.  O Facebook chegou a criar uma Fundação para dar apoio oficial a Reforma Imigratória e aos políticos (FWD.US). Empresários da Construção também  já manifestaram que é necessário aumentar o número de vistos previstos na lei a serem expedidos por ano, para que o setor possa ter benefícios, do contrário estariam criando um problema. Um certo grupo de políticos Republicanos, liderados pelo Senador Marco Rubio – Florida,  é a favor da Reforma e busca reconquistar o voto dos latinos, hoje descontentes com os Republicanos. Verdade seja dita, este grupo trabalhou bem no Senado e conseguiu a aprovação juntamente com os Democratas que propuseram a Reforma no famoso grupo dos oito. Mas na Câmara dos Deputados, a realidade é outra. Controlada por Republicanos, a casa tem oferecido resistência. Em contrapartida, após o recesso do Congresso, a Casa Branca, esta semana voltou a atuar,  divulgando relatório afirmando o enorme benefício econômico que resultaria da Reforma, aquecendo ainda mais o mercado, gerando empregos,  arrecadação de impostos e aumentando o PIB. Em seguida o Senador Marco Rubio que estava em silêncio desde a aprovação no Senado, esta semana também se pronunciou, afirmando categoricamente que se o Congresso não aprovar a Reforma Imigratória,  tudo indica que o Presidente Barack Obama o fará por conta própria (Por Decréto) como fez no final de seu primeiro mandato ao aprovar o visto para os estudantes. E alertou o próprio partido Republicano de que é melhor dar algum poder a Obama agora, do que deixar todo o poder para ele no futuro. A preocupação de Rúbio tem fundamento. O voto Latino foi decisivo para a reeleição de Obama e pode vir a ser fator determinante nas próximas eleições para seu sucessor.  A votação na Câmara dos Deputados pode ser realizada ainda nas próximas semanas ou ficar para o início do ano que vem. Caso não seja discutida ou aprovada, Obama poderá deixar então para decretar, ao seu modo,  a reforma Imigratória, já bem próximo do fim de seu mandato, se assim o quizer,  cativando os votos do Latinos para o próximo candidato Democrata. Eis o verdadeiro temor dos Republicanos mais sensatos.

Resumindo, o assunto está cada vez mais próximo de uma solução, já que é melhor um bom acordo do que um bom duelo. Finalmente o país despertou para a realidade. A Reforma é necessária e não fazê-la é o mesmo que dar um tiro no próprio pé.

Agora, na minha opinião, se é que conta para alguma coisa…. Já testemunhamos que na prática a perseguição aos Imigrantes somente trás o enfraquecimento da economia, como vimos acontecer em várias cidades, que depois se arrependeram das perseguições, pois viram que os imigrantes eram também grandes consumidores em supermercados, serviços, restaurantes, etc. Cidades inteiras ficaram conhecidas como cidades falidas após expulsarem os imigrantes. O que os governantes e políticos estão percebendo somente agora, é o que nós já sabíamos por experiência própria há muitos anos. Os Imigrantes são necessários e legaliza-los é a melhor coisa a se fazer para a economia. Algo praticamente indispensável dentro do processo de recuperação econômica americana. Se o Congresso aprovar agora, os Republicanos poderão ainda  dividir o mérito com os Democratas e garantir um equilíbrio dos votos nas próximas eleições para Presidente.   Por outro lado se os Republicanos bloquearem a Reforma neste momento, estarão talvez desperdiçando a sua última chance de recuperarem o cobiçado voto dos latinos. Neste caso melhor tentar conseguir algumas fatias  do bolo do que ficar só com os farelos. De uma forma ou de outra Rubio está demarcando seu território, fazendo seu próprio marketing e deixando claro que ele pelo menos é a favor da Reforma, ainda que o Congresso não aprove, ele está trabalhando para conquistar a simpatia dos eleitores. Não esquecendo que ele é cotado para ser um dos candidatos a presidente nas próximas eleições…  Mas é claro que se os Republicanos barrarem a reforma, ele sai como um político sem força dentro do partido e isso não é bom, já que outros políticos dentro do mesmo partido também tem a mesma ambição e não gostariam que ele obtivesse tanto destaque assim.  Para Obama, o importante é cumprir a  sua promessa e colocar os democratas em boa posição. Se a reforma for pelo congresso tanto melhor para ele, pois não quer abusar do poder e já disse que não é um “Rei” e que quer trabalhar junto com o Congresso. A verdade é que este é um jogo alto, e somente o tempo mostrará quem ganhará. Ao final esperamos que vençam todos, políticos, empresários, imigrantes  e principalmente a economia americana.

Por Juliano Braga – Editor

CEO e Fundador da Immigrants Network International Team.

www.immigrantsnetwork.com 

Share This Post